Início

Centenário

Apresentação

Uma das mais antigas e tradicionais instituições de ensino de Belo Horizonte, a Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, comemora 100 anos em 2011. Uma trajetória que cerca de 30.000 pessoas, entre alunos, professores e funcionários que já passaram pela Escola. Atualmente, cerca de 6.500 estudantes estão matriculados nos 11 cursos de graduação e nos 20 cursos de pós-graduação (stricto e lato sensu). A comemoração dos 100 anos marca, acima de tudo, a celebração do legado deixado a todos que fizeram ou ainda fazem parte desta vasta comunidade acadêmica. A Escola de Engenharia se orgulha de ter contribuído com a formação educacional, profissional e mesmo pessoal de cada integrante desta história.

Palavra do Diretor

A engenharia nacional é reconhecida hoje como um dos principais pilares de sustentação da destacada posição econômica, tecnológica e política ocupada pelo Brasil. A Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais (EEUFMG) tem a missão de ser uma das principais protagonistas dos novos tempos e tem a consciência de que no futuro deve estar preparada para as mudanças sistemáticas, e que a reinvenção das soluções antigas é um exercício diário e que a opção pela inovação é uma questão de sobrevivência.

A Escola de Engenharia sempre teve e se compromete a prosseguir na sua missão de oferecer à sociedade o melhor e mais moderno padrão acadêmico e contribuir, decisivamente, para o desenvolvimento científico, tecnológico, econômico e social do Brasil, e em especial do estado de Minas Gerais.

O século XX foi o século das grandes transformações tecnológicas, dos grandes conflitos mundiais e do reordenamento das grandes potências. Apesar dos percalços inerentes à profissão e pelas crises que nosso país passou, saímos do patamar de nação subdesenvolvida para virarmos uma nação em desenvolvimento, e a engenharia brasileira se destacou pela qualidade de suas obras.

Ao final do século, a nossa escola já se tornava reconhecida nacionalmente e internacionalmente pela alta qualificação dos seus engenheiros e por sua postura comprometida com a geração do conhecimento, com o desenvolvimento tecnológico do País e com uma atuação participativa e socialmente responsável para com a sociedade.

As comemorações do Centenário da Escola serão realizadas durante todo o ano de 2011. Os eventos programados relembrarão a sua história ao longo de seus 100 anos, reverenciando a sua trajetória e sua inserção cada vez maior no desenvolvimento econômico e social do Brasil.

Para isso, a Escola de Engenharia pretende reforçar o seu papel enquanto unidade da UFMG e aproveitar a oportunidade para registrar e organizar, em várias publicações, seu vasto acervo.

Assim, convidamos toda a comunidade acadêmica, empresas e entidades parceiras, ex-alunos que fizeram parte deste século de excelência, a também fazerem parte, ao longo do ano, dos eventos de comemoração do centenário.

Como diretor e representante da Escola de Engenharia, sentimo-nos muito lisonjeados com a participação de todos vocês.

Benjamin Rodrigues de Menezes

História

A Escola de Engenharia da UFMG (EEUFMG) foi fundada no dia 21 de maio de 1911, a partir da reunião de 15 intelectuais (ver quadro abaixo), a maioria engenheiros formados pela Escola de Minas de Ouro Preto. O encontro, realizado na Sociedade Mineira de Agricultura, também celebrava a data do aniversário de 100 anos do nascimento de Christiano Benedicto Ottoni link para Cristiano Ottoni(conteúdo), pioneiro da engenharia nacional, que foi escolhido patrono da instituição que estava sendo criada.

Coube ao Secretário de Agricultura do estado, o advogado José Gonçalves de Souza, presidir a reunião que decretou a criação da então Escola Livre de Engenharia de Belo Horizonte. Além do Secretário, o encontro também contou com a participação de 14 profissionais, em sua maioria engenheiros formados pela Escola de Minas de Ouro Preto. A primeira Congregação da Escola Livre de Engenharia foi constituída, então, por seu 15 fundadores, e sua primeira assembleia estabeleceu José Gonçalves de Souza como o primeiro diretor da nova instituição.

A data da fundação está relacionada à transferência política da capital mineira. Em 1897, Ouro Preto deixou de ser o centro administrativo do estado e a recém construída Belo Horizonte tornou-se a capital do estado de Minas Gerais. Com isso, criou-se a necessidade de estabelecer centros de formação profissional na nova capital, no início do século XX.

Assim como a Escola de Engenharia, outras instituições de ensino de Belo Horizonte tiveram sua origem neste mesmo período: a Faculdade de Direito, transferida de Ouro Preto em 1898, a Faculdade de Odontologia inaugurada em 1907 e a Faculdade de Medicina, também fundada em 1911. As quatro escolas serviram de alicerce para a criação da Universidade de Minas Gerais em 1927, federalizada em 1949 e, desde 1965, denominada Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG.

Localização

Hoje totalmente integrada ao Campus Pampulha da UFMG, a Escola de Engenharia já teve outras duas sedes ao longo de sua história. Fundada no edifício Alcindo da Silva Vieira, na avenida Santos Dumont, n°. 174 – chamada avenida do Comércio à época – a Escola de Engenharia deu seus primeiros passos neste, que era o primeiro edifício do hipercentro da capital.

No edifício Alcindo da Silva Vieira funciona hoje o Centro Cultural UFMG.

Diante do crescimento da escola e da necessidade de receber cada vez mais alunos, professores e funcionários, a primeira transferência de sede ocorreu em 1959. Mas a Escola de Engenharia não foi para tão longe de sua primeira casa: se deslocou apenas um quarteirão e passou a ser sediada no edifício Arthur Guimarães, na rua Espírito Santo, n° 35. Em abril de 2011, o complexo de prédios da segunda sede da Escola foi entregue à União. O local sediará o Fórum da Justiça do Trabalho de Belo Horizonte. No quarteirão da segunda sede, funciona a Associação dos Ex-Alunos da Escola de Engenharia da UFMG (AEAEEUFMG).

Segunda sede da EEUFMG, futuro Fórum da Justiça do Trabalho.

Em 1998, o Projeto Campus 2000 da UFMG estabeleceu a construção, ampliação e reforma de sete unidades da universidade. Uma das medidas previa a construção do novo prédio da Escola de Engenharia no campus Pampulha, que começou a ser erguido em 2004. Em 2010 o processo de transferência da Escola de Engenharia para o campus terminou. A nova sede possui uma área aproximada de 65.000 m2, a maior de uma instituição pública de ensino em engenharia da América Latina.

Nova sede da EEUFMG, complexo com área de cerca de 65.000 m². (Crédito: Foca Lisboa)

Conheça os fundadores da Escola de Engenharia

  • Agostinho de Castro Porto
  • Álvaro Astolfo da Silveira
  • Antônio do Prado Lopes
  • Arthur da Costa Guimarães
  • Benjamim Franklin Silviano Brandão
  • Benjamim Jacob
  • Carlos Leopoldo Prates
  • Cipriano de Carvalho
  • Fidelis Reis
  • Joaquim Francisco de Paula
  • Joaquim Júlio de Proença
  • José Gonçalves de Souza
  • Lourenço Baêta Neves
  • Pedro Demóstenes Rache
  • Pedro da Nóbrega Sigaud

Fundadores da Escola de Engenharia.

Christiano Ottoni: O patrono da Escola de Engenharia

O dia 21 de maio de 1911 não foi a data de fundação da Escola Livre de Engenharia por mero acaso. A data marca os 100 anos de nascimento de Christiano Ottoni, considerado o patrono da engenharia brasileira e também adotado com patrono da Escola de Engenharia da UFMG.

Christiano Benedicto Ottoni nasceu em 21 de maio de 1811, em Vila do Príncipe, hoje o município mineiro Serro. Ele ganhou notoriedade por sua contribuição essencial para o fortalecimento das estradas de ferro no país. Foi o diretor da Estrada de Ferro D. Pedro II, que ligou a região do Vale do Paraíba ao litoral brasileiro, através de túneis na Serra do Mar, uma ideia que revolucionou a construção de ferrovias na época. Atualmente conhecida como Estrada de Ferro Central do Brasil, a maior obra de Christiano Ottoni foi responsável por permitir, então, a integração de algumas das regiões mais desenvolvidas do país hoje: Rio de Janeiro, São Paulo, e o sul do estado de Minas Gerais. Por sua visão pioneira e especialização ferroviária, Christiano Ottoni é conhecido como o Pai das Estradas de Ferro do Brasil. Ao lado do Barão de Mauá, está então entre os grandes nomes da fase de implantação e penetração das ferrovias no país.

Christiano Ottoni também obteve feitos importantes na área acadêmica e no âmbito político. Ele foi promovido a Catedrático do 1º ano de Engenharia da Escola Militar, além de ter sido eleito deputado pelas províncias de Minas Gerais e Rio de Janeiro, também exercendo o mandato de senador pela província do Espírito Santo.

Suas realizações lhe renderam diversas homenagens. Em menção ao patrono da engenharia nacional, Cristiano Otoni foi o nome utilizado para nomear um município na região central de Minas Gerais, que se emancipou da cidade de Conselheiro Lafaiete em 1962.

E já que a criação da Escola de Engenharia da UFMG sempre esteve atrelada à história de Christiano Ottoni, há várias referências ao pai das estradas de ferro no Brasil na Escola. Desde 1911, a EEUFMG já contava com oficinas para o auxílio aos cursos profissionalizantes da época. Oficinas que, no ano de 1916, foram batizadas como "Oficinas Christiano Ottoni". Em 1974, a Escola instituiu a Fundação Christiano Ottoni, com o objetivo de intermediar a prestação de serviços dos seus 13 departamentos, através de consultoria, assessoramento, realização de projetos e pesquisas, e administração de cursos de extensão para o setor produtivo e para a comunidade.

Em dezembro de 1961, o então governador de Minas Gerais, José de Magalhães Pinto, criou através de lei, a medalha "Conselheiro Christiano Ottoni". A condecoração é concedida todo ano, desde 1965, a um nome de destaque do setor de engenharia e transporte, através de parceira entre o governo do estado de Minas Gerais e a Escola de Engenharia da UFMG.

Conheça os departamentos

Um bom retrato da história da Escola de Engenharia da UFMG são os 13 departamentos administrativos que a compõem. São eles (links para cada um deles):

  • Departamento de Engenharia de Estruturas
  • Departamento de Engenharia de Materiais e Construção Civil
  • Departamento de Engenharia de Minas
  • Departamento de Engenharia de Produção
  • Departamento de Engenharia de Transportes e Geotecnia
  • Departamento de Engenharia Elétrica
  • Departamento de Engenharia Eletrônica
  • Departamento de Engenharia Hidráulica
  • Departamento de Engenharia Mecânica
  • Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais
  • Departamento de Engenharia Nuclear
  • Departamento de Engenharia Química
  • Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental

A composição atual dos departamentos mostra como a Escola evoluiu junto com o desenvolvimento da engenharia no Brasil. De certa forma, todos os departamentos e suas áreas de conhecimento derivam da primeira engenharia a ser lecionada na então Escola Livre de Engenharia – a Engenharia Civil.

Até 1965, os atuais departamentos eram conhecidos como institutos, denominação alterada em um regimento da Congregação da Escola de Engenharia, aprovado pelo Conselho Universitário da UFMG. A ligação entre essas diversas áreas pode ser encontrada, por exemplo, nos departamentos de Engenharia de Minas e Engenharia Metalúrgica e de Materiais, que oferecem, em conjunto, o curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas (CPGEM). Além disso, o curso de graduação de Engenharia de Minas, que deu origem ao departamento de Engenharia de Minas, é oriundo do extinto curso de Engenharia Industrial Metalúrgica. A engenharia metalúrgica, assim como a Engenharia Química, é um dos alicerces históricos do Instituto de Pesquisas Radioativas, precursor do departamento de Engenharia Nuclear.

Os departamentos de Engenharia Elétrica e Engenharia Eletrônica derivam do mesmo Instituto de Eletrotécnica, que até a década de 1950 funcionava juntamente com o setor de Engenharia Mecânica. E é da Engenharia Mecânica que nasce o departamento de Engenharia de Produção. Os departamentos de Engenharia de Estruturas, Engenharia de Transportes e Geotecnia, Engenharia Hidráulica e Engenharia Sanitária e Ambiental, podem ser considerados ramificações de um mesmo instituto, o Instituto de Engenharia Civil. A história dos departamentos é sem dúvida, um dos capítulos que melhor descreve a própria história da Escola de Engenharia da UFMG.

A Associação dos Ex-alunos

Uma das maiores fontes de memória dos 100 anos de história da Escola de Engenharia é a Associação do Ex-Alunos da Escola de Engenharia da UFMG (AEAEEUFMG). A entidade foi criada no dia 20 de dezembro de 1959, com o nome de Associação dos Antigos Alunos da Escola de Engenharia, da então Universidade de Minas Gerais (UMG).

No dia 13 de maio de 1960, o então diretor da Escola de Engenharia, professor Mário Werneck de Alencar Lima, presidiu a primeira assembleia da nova associação. Nesta reunião, foi desenvolvido o estatuto da Associação dos Antigos Alunos. Com isso, a assembleia também realizou as primeiras eleições para a presidência e para o Conselho da entidade.

Entre as medidas tomadas para preservar a história da Escola, uma das principais foi a criação do Centro de Memória da Engenharia, nos anos 90. A iniciativa partiu de um convênio estabelecido com a UFMG, no dia 9 de fevereiro de 1993, cujo regulamento foi aprovado pela Congregação da Escola de Engenharia. O patrono do Centro da Memória é o professor Hugo Luiz Sepúlveda, que foi diretor da Escola entre os anos de 1971 e 1975. No mesmo ano de 1993, a Associação também criou uma biblioteca própria, com um acervo de mais de 25.000 volumes, doados pelos próprios ex-alunos.

Em 2006, a AEAEEUFMG desenvolveu a produção de um livro com a relação de todos os alunos formados pela Escola entre 1911 e 2005 - Livro de Ouro da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais. Já em 2009, a associação produziu um livro sobre os professores que passaram pela Escola entre 1911 e 2009 – o Livro de Ouro do Corpo Docente da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais.

Desde 1993, a Associação dos Ex-alunos da UFMG é presidida pelo engenheiro Tárcio Primo Belém Barbosa. A sede da AEAEEUFMG fica na Rua Bahia, n°. 52, e faz parte do conjunto arquitetônico da Praça Rui Barbosa, tombado pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais-IEPHA/MG, em 1988.

Projeto Centenário da Escola de Engenharia • Universidade Federal de Minas Gerais

Av. Antônio Carlos, 6.627 • Pampulha • Belo Horizonte / MG • CEP 31270-901

Tel.: (31) 3409-3620 • www.eng.ufmg.br

F.Gênia